28/09/2012 - 03:54

Assembleia de Deus é a maior igreja evangélica do Brasil


Em 1940, ano em que o quesito religião começou a fazer parte do censo do IBGE, mais de 95% das pessoas se declaravam católicas; nos anos 70, esse número já havia baixado para 90% e em 1991 a porcentagem chegou a 83%, em 2010 o percentual estava em 64,6% da população. No entanto, a quantidade de evangélicos, que envolve diferentes congregações, como a Assembleia de Deus, com mais de doze milhões de fiéis, cresceu de pouco mais de 2%, em 1940, para mais de 22,2%, segundo o censo de 2010. Há projeções que em 20 anos mais da metade da população seja evangélica. Nesse caso a Assembleia de Deus ultrapassa 30% do total de evangélicos do Brasil.

Outro dado interessante que fica claro no censo, que as projeções já demonstravam, é que igrejas que estão na mídia podem ter mais projeção e exposição televisiva, porém não possuem presença real e física na totalidade do território nacional. Nesse caso, por exemplo, a Igreja Universal diminuiu a sua membresia em mais de 300.000 pessoas em relação ao censo do ano 2000, ficando com um total de 1,9 milhão de membros. Sendo que é a primeira vez que é registrada uma diminuição relacionada de uma igreja que não seja fruto de imigração (como por exemplo, os luteranos que historicamente no Brasil estão associados a imigração alemã). Contribuindo ainda para esse fenômeno o surgimento de novas igrejas na mesma linha de trabalho da Universal. Como diz o sociólogo Ricardo Mariano, “esse fenômeno contribui para a privatização da fé em relação a essas igrejas, onde não há um compromisso específico com a organização em si”. Nesse caso há o interesse pessoal, por exemplo, na “bênção”, levando o fiel a migrar para onde mais lhe interessa. Criando o fenômeno da igreja flutuante.

É necessário citar a questão da mídia em relação às igrejas. Há uma linha na missiologia que defende a importância das mídias para a evangelização, como rádios, televisão, internet, entre outros. Obviamente concordo com isso. Contudo, implantação de igreja está identificada com relacionamento pessoal, como contato direto. As mídias somam no processo de evangelização, mas não é determinante, e o crescimento contínuo da igreja Assembleia de Deus, que está intrinsecamente ligada à sua constante evangelização e a prática de implantação de igreja, é um prova disso.

Se a média nacional é de 22,2% da população evangélica, na Paraíba é de 15,1%. A Semad-PB (Secretaria de Missões da Assembleia de Deus na Paraíba) possui uma parceria com a Sepal para realizar uma pesquisa no Estado e cruzá-los com os dados obtidos do censo. Pessoalmente penso que quando concluirmos esse levantamento, o resultado nos surpreenderá.

Nós, paraibanos, ainda temos muita terra a conquistar, mas é inegável o avanço. No censo passado havia dezenas de municípios com menos de 1% de evangélicos em nosso Estado. Graças a Deus essa realidade não existe mais! As análises preliminares demonstram que menos de 20 municípios dos 223 possuem menos de 5% de evangélicos (ainda estamos fazendo uma análise mais profunda nos dados do censo e posteriormente daremos dados mais precisos). Obviamente esse crescimento é fruto de trabalhos de várias igrejas, mas nós, que fazemos parte da Assembleia de Deus e que estamos presente em todos os municípios da Paraíba, temos sido incansáveis em projetos de evangelizações em pequenas cidades, distribuição de literaturas (somente a Semad, nos últimos 7 anos confeccionou e distribuiu mais de 1 milhão de literaturas evangelísticas), obreiros de nossa igreja implantaram centenas de igrejas em regiões consideradas não alcançadas nos últimos 10 anos. Somente a igreja da capital, após a presidência do Pr. José Carlos de Lima, implantou mais de 60 igrejas nesses 10 anos!

Vamos seguir em frente. Sabemos que Deus tem interesse nesse projeto e é Ele que dará as estratégias e o crescimento. Junte-se a nós, ainda há muita terra a ser conquistada.

Pr. Eduardo Leandro Alves

Sec. Exec. de Missões da SEMAD-PB

eduardoleandroalves.blogspot.com.br





Veja mais notícias: